.
.


Miguel Ângelo - sanguínea
Picasso - Auto-retrato - Carvão e aguarela, 1902
Analisando o percurso do homem no mundo, verificamos que este desde sempre teve necessidade de exteriorizar e comunicar o que sente e pensa.
O percurso de vida e evolução dos indivíduos e das culturas projecta-se em factos, obras, objectos, marcas que são registadas e permanecem materializadas sob diversas formas.
O fascínio que sentimos perante obras artísticas, como uma pintura rupestre, uma máscara africana, uma música tribal, uma sinfonia de Beethoven, um quadro de Picasso, etc, faz-nos pensar acerca do que estará no cerne destas obras para provocarem tal efeito.
Diz-se que só o homem possui este fascínio e capacidade de admiração perante os fenómenos e factos estéticos e que portanto os "persegue" procurando exprimir-se de "forma elevada" através da arte.
À arte estão associadas metodologias, técnicas, instrumentos e suportes que foram evoluindo através dos tempos.
Na base das artes visuais está o mecanismo da visão, o cérebro e as mãos.
É com a mão que fazemos os gestos de desenhar, pintar, esculpir, etc. Os instrumentos surgem então como objectos que fazem o prolongamento das mãos, facilitando a expressão das ideias.
Manipulados pelo homem, os instrumentos fazem o registo das ideias, materializando visualmente o pensamento.
Os materiais e suportes estão na base deste processo, pois são transformados através de instrumentos de acordo com metodologias e técnicas ao serviço das ideias criadoras.
Os instrumentos artísticos vão desde o lápis ao computador, passando por uma infinidade de objectos que estão vocacionados para riscar, pintar, cortar, soldar, de acordo com os materiais e suportes a trabalhar.
Os materiais associados às artes visuais são variadíssimos e vão desde os ligados ao domínio bidimensional do desenho e pintura, como riscadores, tintas, solventes, etc., aos ligados às técnicas de impressão como chapas, linóleos, madeiras e suportes variados - papéis, telas, acrílicos, vidros e outros, assim como os associados ao domínio tridimensional - barro, gesso, metais, madeira, etc.

No séc. XX a noção de instrumento, material e suporte artístico alargou-se enormemente com a alteração e a integração de novos conceitos na arte. Assim, o próprio corpo humano é considerado "material" e "suporte", como na "body Art". Objectos já existentes, que foram tirados do seu contexto habitual e integrados no domínio artístico, como os "ready made" dos grupos Dada e Surrealista, são também exemplos de novas e revolucionárias acepções dos termos suporte e material. Nas "instalações", "happenings" e "performances", actuações e intervenções artísticas, os materiais e suportes não têm regra e são condicionados pelo carácter original da ideia expressiva.

Os materiais "clássicos", cerâmica, madeira, metal, vidro, etc., foram usados durante séculos sem grandes alterações na sua composição. No nosso século passou-se à sua transformação por processos que são por vezes sofisticadíssimos, tornando-os quase irreconhecíveis. A integração de novas e revolucionárias ligas metálicas, a invenção de variadíssimas fibras compostas , a evolução de materiais compósitos, polímetros, etc. tansformaram as matérias usadas em todos os sectores, inclusivamente na arte. 
 
 

Materiais, instrumentos e suportes

Vamos ocupar-nos agora do estudo dos materiais, instrumentos, suportes e técnicas de desenho analisando a sua natureza intrínseca e a sua história.

"...O instrumento, seja ele um lápis, caneta, giz ou pincel fará manchas características da sua natureza e estrutura e o material ou meio manifestará uma resposta ... conforme a sua natureza..."  Maurice de Sausmarez 

As técnicas de registo directo sobre um suporte, mais habitualmente papel, compreendem vários instrumentos e materiais de matérias primas variadas e de composições diversas:
- Riscadores - Traços, manchas, superfícies - carvão, sanguínea, sépia, pedra negra, pastéis secos, pastéis de óleo,lápis de cor.
- Riscadores - Traços finos - grafite, canetas de feltro, 
- Processos líquidos - tinta da china,  tinta sépia, tinta neutra, aguarela, guache.

Leonor Soares  2003/2007


 
Robert Rauschenberg - For Dantes´s 700 birthday - 
Técnica mista - grafite, aguarela e guache s/ litografia, 1965
Bibliografia
BETTY, C., SALE, T. - Drawing, a contemporary approach - HBJ
HAYES, C. - Peindre et Dessiner - Elsevier
TEISSIG, K. - Les techniques du dessin - Grund
ARNHEIM, R. - Arte e Percepção Visual  - Ed. 70
LUCKHARDT, U; MELIA, P. - David Hockney, a drawing retrospective  - Royal Academy of Arts/Thames and Hudson - 1995
MOLINA, J, J, G. - Las Lecciones del Dibujo - Cátedra

Links (20.1.07)
Drawing Center
Introduction to Drawing Materials and Techniques by Michael Miller
Drawing lessons - illustrated lesson notes for teachers and students
Learn to Draw: Drawing on the Right Side of the Brain
Leonardo da Vinci - sites
National Gallery of Art - A Century of Drawing
Central de Quadrinhos (entrar no site, e ir a Técnicas de Desenho)
. Drawing Links
. Historia de Arte - links
Diário Gráfico (Eduardo Salavisa) [N]
Pedro Partidário - Desenho 1 (site de professor de desenho na U. Lusíada) [N]
Desenho "ao vivo", (do esqueleto à roupa - Site de um Russo com nome não identificável - Muito interessante!) [N]

escolas e universidades portuguesas com cursos artísticos

 
 
O Site Desenho - materiais, técnicas e instrumentosfoi realizado por Leonor Soares no âmbito da Acção de Formação "COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO" realizado entre Fevereiro e Maio de 2003 na E.S.E. /IPP.
Formador: Dr. Rui Oliva Teles
On-line desde 9-5-03